Passos

Passos N. 265, jan/fevereiro 2024

Para ver
Na virada do calendário de um novo ano, nos balanços, na incógnita do que vai acontecer, a fragilidade e o desamparo que sentimos são a espera irreprimível por algo que nos liberte. O tempo pode fluir e se perder, ou um instante pode ser eterno, quando voltamos a ver as coisas, mesmo as habituais, em sua profundidade, reconhecendo uma Graça que nos antecede.
Este é um caminho, e para isso divulgamos logo no início desta edição notas da Assembleia de Responsáveis do Brasil – um encontro realizado em dezembro com diversos membros do Movimento, com o objetivo de nos ajudar no amadurecimento da fé. Um percurso fascinante, aberto a todos.

Os testemunhos do Destaque querem contar como o olhar pode mudar, como muda em um caminho que nasce do maravilhamento do encontro com Cristo. Não há nada mais eficaz do que seguir o olhar de outra pessoa para voltar a ver. Em primeiro lugar, para ver o que está na sua frente. “O homem contemporâneo parece já não ser capaz de perceber a profundidade da realidade que nossos olhos veem e tocam, seja uma flor ou um rosto humano”. Nestas palavras de Joseph Ratzinger estão resumidas a provocação da qual parte a palestra de padre Paolo Prosperi na convivência dos jovens de CL em Assis, da qual você encontrará uma prévia nas próximas páginas e o livreto completo em clonline.org: “A doença que mais aflige o homem de hoje (e, portanto, nós também!) não é uma doença da vontade, mas dos olhos”.

Encerramos um ano atravessado por eventos dolorosos, conflitos, violência, guerras. Além dos slogans, a questão é se existe uma fé capaz de despertar o que está adormecido. Que ela restaure os olhos para captar aquele “desejo infinito” que não é mais visto, mas que continua lá, apenas “disfarçado, encoberto, temido”, como afirma Silvio Cattarina, fundador da comunidade O Imprevisto, numa outra reportagem.
Muitas vezes a vida nos dá medo. Até que, em qualquer idade, ocorre um fato que nos leva a vislumbrar o divino. Não há nada mais simples do que ser olhado para ver novamente.