IMPRIME [-] FECHAR [x]

OS FATOS

Uma fonte de comunhão e gratuidade

por María Borrero
1/9/2017 - Faz parte da formação das Missionárias da São Carlos Borromeo, em Roma, participar da caritativa, que Dom Giussani indicou como um gesto para aprender a viver como Cristo e a entrar no significado de nossa vida. Uma noviça nos conta sua experiência

Neste ano comecei com Laurence a caritativa na casa Dom de Maria, das Missionárias da Caridade, perto da Praça São Pedro, uma vez por semana. Gostaria de contar os fatos que aconteceram nesses meses de caritativa.

A primeira vez que fomos não sabíamos em que, realmente, consistiria o trabalho da nossa caritativa. Sabíamos que poderíamos ter que ajudar a preparar o jantar, limpar os banheiros e fomos convidadas a estar disponíveis. Fiz todo o caminho até São Pedro pedindo dentro de mim essa disponibilidade e pensando: e se me pedirem para limpar os banheiros? Eu farei. Se me pedirem para estar com os sem-teto? Eu farei. Se me pedirem para preparar o jantar? Eu farei. Estava tão contente e grata por fazer aquela caritativa que queria fazer qualquer coisa, ainda que fosse as mais chatas.

Para minha surpresa, o que me pediram era a única coisa que eu não poderia imaginar: preparar e estar presente na adoração ao Santíssimo. Passei a maior parte do tempo do primeiro dia de joelhos, diante de Jesus. E dentro de mim entendia que Ele, mais uma vez, estava corrigindo a minha atitude: a caritativa não é, antes de mais nada, um fazer algo da minha parte (como, também, nada ao longo do dia), mas sim um estar diante d’Ele. Porque se não é assim, o fazer cansa. Assim, agora, todas as vezes que vou à caritativa faço memória daquele primeiro momento e rezo para viver cada momento (também o trabalho) em adoração.

O segundo fato é que, há um mês, morreu um dos voluntários que trabalhava com a gente no setor de refeições. Foi algo imprevisto e todos estávamos um pouco abalados. No dia seguinte ao seu falecimento estávamos ali e diante da notícia parecia que não tinha nada que pudéssemos nos falar. Tinha um grande silêncio. Depois de uns instantes, uma das Irmãs propôs que rezássemos o terço enquanto preparávamos o jantar. E assim a oração foi a palavra a se dizer, a única palavra que estava à altura do acontecido.

Fiquei muito impressionada como o fazer e a oração eram uma coisa só. Era novamente estar diante de Jesus. É a única razão que mantém juntas as pessoas que nunca se viram, de todos os continentes. Este estar diante de Jesus em cada coisa, como se vê estando diante das freiras, é o que gera uma comunhão e uma gratuidade que só são possíveis se Ele está.

Aprendo na caritativa esse viver tudo na presença de Deus, que me faz livre e alegre no fazer ou no não fazer, diante da vida ou diante da morte.

> Para conhecer mais as Missionárias da Fraternidade São Carlos, visite o site www.missionariesancarlo.org (em italiano)