Vai para os conteúdos
Logo Tracce
Compartilhar no Facebook   Compartilhar no Twitter   Compartilhar no Linkedin   MySpace

OS FATOS

Congdon não se sentia digno

por Rodolfo Balzarotti
9/12/2014 - Exposta pela primeira vez em um local sacro a Natividade que o artista americano pintou logo após a sua conversão. A Igreja Ambrosiana abriu o Tempo de Advento realizando aquele passo que o pintor nunca deu
William Congdon, ''Natividade'' (1960)
William Congdon, ''Natividade'' (1960)

Muitos vão se lembrar da imagem que foi usada no Cartaz de Natal de Comunhão e Libertação em 2010: a Natividade de William Congdon:

A pintura foi feita pelo artista em 1960 e tem um interesse e uma história muito particulares. O artista pintou após sua conversão ao catolicismo, que teve lugar em Assis, em 1960. Durante o ano seguinte, Congdon pintou um grande número de quadros inspirados na liturgia e Sagrada Escritura. Para ele era uma espécie de "catequese na pintura", um caminho pessoal de conhecimento de Cristo, que comprometeu toda a humanidade complexa do artista. Nenhuma dessas obras realizou como de costume. Nenhuma foi colocada em alguma igreja. Na verdade, alguns anos mais tarde, o artista disse que nunca teria permitido, enquanto sua pintura não tinha alcançado a liberdade e a pureza que a tornou digna de acompanhar as orações dos fiéis. Enquanto ele viveu, não aconteceu. Congdon logo abandonou os temas litúrgicos para retornar às pinturas anteriores, paisagens naturais e urbanas, embora durante muitos anos continuasse pintando imagens do Crucificado.

No que diz respeito à Natividade, só foi exibida uma vez em agosto de 1961 em Assis, quando Giulio Andreotti, Ministro da Indústria e do Comércio, comprou-a para as coleções do Ministério em Roma. Nunca mudou a sede para participar de alguma exposição. Durante muito tempo foi difícil localizar onde estava exatamente situada dentro da sede ministerial. Somente há dois anos, que foi possível encontrar e verificar o que se incluía regularmente nos inventários que hoje se chama Ministério para o Desenvolvimento Econômico.

Portanto, quando um pouco antes do verão passado, começou a tomar forma o projeto de uma exposição em Milão, procedeu-se a apresentação do pedido de empréstimo, que os responsáveis do Ministério concederam, para o quadro ser exposto no início do Advento na Igreja de São Rafael Arcanjo.

Portanto, tinha fundamento a relutância de Congdon para expor suas obras litúrgicas na Igreja? A presença da Natividade na Igreja de São Rafael será uma verificação interessante.

Em qualquer caso, não devemos esquecer que cada obra de arte tem uma história e um destino, que ultrapassam as intenções e as estimativas do autor. E hoje, aquele passo que Congdon não se sentia digno de fazer, é a própria Igreja Ambrosiana que realiza, acolhendo a Natividade em uma das sedes mais antigas de sua devoção.

Outras notícias

 
 

Credits / © Sociedade Litterae Communionis Av. Nª Sra de Copacabana 420, Sbl 208, Copacabana, Rio de Janeiro - RJ
© Fraternità di Comunione e Liberazione para os textos de Luigi Giussani e Julián Carrón

Volta ao início da página