Vai para os conteúdos
Logo Tracce
Compartilhar no Facebook   Compartilhar no Twitter   Compartilhar no Linkedin   MySpace

OS FATOS

"O Ano da Misericórdia. Que graça!"

5/10/2016 - Peregrinação de Comunhão e Libertação pelo Ano Jubilar da Misericórdia: "Senhor, eu sou um pecador: vem com a Tua misericórdia" (Papa Francisco)

Na Itália, no sábado 1º de outubro, 20 mil membros de CL de toda a região da Lombardia, se reuniram no Santuário de Nossa Senhora de Caravaggio para celebrar o evento extraordinário do Ano Santo da Misericórdia.

Foi um gesto simples e intenso: cantos no momento inicial, intercalados pela leitura de trechos de Péguy e Dom Giussani e projeção de imagens (a adúltera, o olhar de Cristo para Madalena, o “sim” de Pedro). Silêncio e oração do terço. Em seguida, a intervenção de Julián Carrón, o responsável pelo Movimento: “Estamos aqui para mendigar a conversão do nosso coração: ou seja, um olhar verdadeiro sobre nós que nos permita retomar o caminho”.

Para finalizar, a Santa Missa celebrada pelo Cardeal de Milão, Dom Angelo Scola. Chama a atenção para como “Cristo pode entrar em nós apenas por um coração partido. Quanto mais o tempo passa, mais temos consciência da profundidade das raízes do mal e nosso ceticismo”. No entanto, “o perdão de Deus é maior”. Não apenas supera o nosso ceticismo, mas “exalta a dinâmica do nosso desejo, até a sua verdadeira estatura: o resgata, o redime, permite ser ele mesmo, ou seja, o impulso da vida de cada homem e mulher”.

Gestos semelhantes foram realizados na Itália e estão previstos em mais de 200 locais em todo o mundo. No Brasil, a região sudeste irá em peregrinação ao Santuário de Nossa Senhora Aparecida no dia 15 de outubro.

Leia abaixo a intervenção de Julián Carrón.


Julian Carrón no Santuário de Caravaggio - 1/10/2016
164,26 KB

Momentos da peregrinação a Caravaggio




 

Outras notícias

 
 

Credits / © Sociedade Litterae Communionis Av. Nª Sra de Copacabana 420, Sbl 208, Copacabana, Rio de Janeiro - RJ
© Fraternità di Comunione e Liberazione para os textos de Luigi Giussani e Julián Carrón

Volta ao início da página