Vai para os conteúdos
Logo Tracce
Compartilhar no Facebook   Compartilhar no Twitter   Compartilhar no Linkedin   MySpace

ARTE

Aquele tecido que envolveu Maria

Giuseppe Frangi
17/10/2017 - A relíquia do cinto venerado na Catedral de Prato, na Itália. É um símbolo da Encarnação e do Mistério da Salvação, mas também da coesão social. Uma exposição, que vai até janeiro, nos fala sobre uma tradição que atravessou os séculos

É uma pequena fita de tecido com pouco mais de 80 centímetros. Feita de lã muito fina com fio de cabra ou talvez de camelo, em um verde, um dia intenso, que hoje tende ao castanho, também porque na época foi coberto por um pó de ouro. É guardada com amor e até mesmo com ciúmes, no coração de uma capela majestosa na Catedral de Prato, na Itália. Diz a tradição que esse é o Santo cinto de Maria. Ou melhor, o cinto com o qual os apóstolos colocaram sobre a barriga de Maria quando ela morreu. Provavelmente é uma relíquia de "contato", ou seja, esteve integrada ao cinto original perdido. Mas isso não diminuiu sua importância: passados muitos séculos segue sendo um símbolo diante do qual, no Prato, todos se curvam, crentes ou não.

A história do Santo cinto de Maria é uma história extraordinária, não tanto por seus aspectos milagrosos (que sempre são muito importantes), mas por sua energia, capaz de gerar e manter unida uma comunidade. Não é por acaso que "Ligados pelo Santo cinto" é o título escolhido para a exposição que, com grande paixão, mas também com grande atenção filológica e histórica, foi organizada no Palazzo Pretorio.

A história é contada pela maravilhosa obra pintada por Bernardo Daddi em 1337, isto é, no ano da despedida de Giotto. Com a morte do mestre, tinha quem havia recebido o legado como pintor e quem, ao contrário, como em especial Daddi, sabia como contar as histórias sagradas de uma maneira sintética e realista. A história do Santo cinto se cruza com a das Cruzadas, porque a relíquia teria sido levada ao Prato por um comerciante pratese inconsciente, Michele. Uma pessoa inimaginável que chegou a Jerusalém como peregrino, no século XII, e encontrou uma esposa. Para o dote, ele havia recebido a relíquia do cinto em uma cesta de vime. Voltando à sua cidade, o manteve durante o resto de sua vida, dando-lhe apenas momentos antes de sua morte a Uberto.


Apresentação do Santo cinto em Prato

A obra de Bernardo Daddi fazia parte de um grande conjunto que, com toda a probabilidade, tinha sido feito para a capela onde o Santo cinto se encontrava. Por razões misteriosas, um século depois foi removido e hoje só ficou preservada a parte superior onde se vê uma Nossa Senhora da Assunção (mantida no Metropolitan de Nova York, atualmente em exibição) que dá o Santo cinto a uma pessoa. E, hoje, só se vê umas mãos abertas para o alto: são de Tomás que, de acordo com os textos religiosos, recebeu esse presente bem diretamente. Na verdade, era o apóstolo que, para acreditar, precisava "tocar", e o cinto era um elemento que "tocou" o corpo de Maria. Isso confirmou a consistência física e real da salvação. Como o historiador de arte Andrea De Marchi , curador da exposição juntamente a Cristina Gnoni Maravelli , escreveu: "O Santo cinto é uma metáfora da coesão social e, portanto, da paz e da prosperidade, mas ao mesmo tempo a cinta de um útero milagrosamente fértil, no qual esconde o mistério impressionante da própria redenção da humanidade, da encarnação de Cristo ".

A história extraordinária do Santo cinto consiste precisamente nessa conexão entre uma identidade social e o fato concreto da concepção de Jesus. Uma conexão que tem quase a forma de uma filiação, em que todos reconhecem, porque todos reconhecem isso como uma evidência. Como mencionado, o Santo cinto tinha sido usado pelos apóstolos para colocar em volta do ventre de Maria no momento do seu "adormecer": envolvia-se o "templo" físico que tinha gerado a Cristo. Era uma espécie de marca que se referia à carnalidade do fato cristão.


Bernardo Daddi, Assunção, 1337-1338, Nova Iorque, Metropolitan Museum of Art

A exposição reúne as imagens desta passagem de Maria para Tomás, da cidade de Prato, através do ensaio simples de Michele. Não se pode ver um dos frutos mais extraordinários desta passagem, porque o altar encomendado a Donatello para a parte externa da Catedral não podia, claramente, ser movido: esse seria o "palco" da exposição do Santo cinto para o povo e para toda a cidade. Donatello transformou o muro do altar em uma boa tese de anjos: os anjos que acompanharam o corpo vivo de Maria ao céu. Mais uma vez, não era uma mera representação, mas uma renovação, trazendo à luz um acontecimento.

O Santo cinto também se mostrou muito contagiante. Pisa, que não podia contar com uma relíquia de igual impacto, respondeu inaugurando uma tradição extraordinária: durante as celebrações marianas, o Duomo era "envolvido" por um longo cinto em damasco vermelho, destacando a equivalência entre o ventre de Maria " templo "de Jesus e a própria catedral. Na exposição se pode ver um fragmento do que restou deste Santo cinto, enriquecido com plaquetas de prata em relevo, atribuídas a Nicola Pisano; também se vê, graças a duas pinturas do século XVI, o incrível espetáculo da catedral de Pisa completamente “envolvida”. Isso é a maior evidência da incrível fecundidade (e coerência) criativa que marca o caminho do cristianismo.

Exposição “Ligados pelo Santo cinto”. A Assunção de Bernardo Daddi e a identidade de uma cidade
Prato, Palazzo Pretorio, até o 14 de janeiro de 2018.
museo.palazzopretorio@comune.prato.it
www.palazzopretorio.prato.it

Outras notícias

 
 

Credits / © Sociedade Litterae Communionis Av. Nª Sra de Copacabana 420, Sbl 208, Copacabana, Rio de Janeiro - RJ
© Fraternità di Comunione e Liberazione para os textos de Luigi Giussani e Julián Carrón

Volta ao início da página