Vai para os conteúdos
Logo Tracce
Compartilhar no Facebook   Compartilhar no Twitter   Compartilhar no Linkedin   MySpace

CINEMA/VÍDEO

Blade Runner 2049

por Antonio Autieri
13/10/2017 - Trinta anos após os acontecimentos do primeiro filme, o policial K de Los Angeles está procurando por antigas réplicas. E a descoberta de um segredo perigoso leva ele à busca de Rick Deckard

Era 1982 quando Blade Runner saiu pela primeira vez. Uma obra-prima de ficção científica de um romance de Phlilip Dick, assinado por Ridley Scott, que, mais tarde, trouxe novas versões (com corte de diretor e corte final) que teria mudado muito o sentido desse filme. A história foi ambientada em um futuro distante e apocalíptico, que é, no entanto, nosso quase presente: os eventos aconteceram em Los Angeles em 2019, em uma noite com clima chuvoso, que marcaram a era e foram imitados e copiados por filmes, romances e comerciais. Quanto à capacidade de imaginar o futuro, talvez não tenhamos "robôs humanos" como Roy e Rachael, mas essa sensação de precariedade existencial que invadiu o presente e o futuro, essa sensação de ameaça subjacente faz parte das obsessões contemporâneas. Para não mencionar a invasão da tecnologia, é claro.

A idéia de uma sequência, imaginada e adiada por décadas pelo próprio Ridley Scott, assustou àqueles que sabem com que frequência esses projetos acabam mal: certos filmes devem permanecer únicos. Uma vez que se decidiu fazer o Blade Runner 2049, a escolha de Scott para supervisionar o projeto como produtor e, na direção, de Denis Villeneuve, foi um ótimo acerto: Villeneuve, nascido no Canadá em 1967, é um veterano, com um belo filme de ficção científica "existencial", Arrival, que está entre os melhores diretores de sua geração. Ele, ainda, consegiu garantir a lealdade – o máximo possível - ao material original, mas, ao mesmo tempo, com um olhar original e pessoal, não se deixou ser esmagado pelo peso da comparação. Com todas as circunstâncias acima mencionadas, podemos dizer que consegiuram o que queriam: Blade Runner 2049 é um ótimo filme, tenso e cheio de idéias. Se pode comparar com o original? Sim. Você chega a esses pontos de profundidade visionária e existencial? Não, mas isso era impossível de se alcançar. Blade Runner, que em 1982 foi um fracasso comercial (saiu contemporaneamente com ET, entre outros problemas...), tornou-se um filme forte ao longo do tempo. Ter a tarefa de tentar virar um mito com uma sequência é uma coisa impossível, como tudo o que você tenta planejar desde uma mesa. Mas se o objetivo dos produtores e do diretor era o de não decepcionar, eles foram bem sucedidos.

Da história não se pode dizer muito, mesmo com as exigências significativas - e legítimas - de Villeneuve de não privar o público do efeito surpresa de tantos acontecimentos inesperados. Quanto ao título e materiais oficiais, temos muito a dizer: estamos a trinta anos dos acontecimentos do primeiro filme. No enredo, há um policial chamado K (que Ryan Gosling marca com a turbulência natural que caracteriza muitos de seus personagens), que é tanto um blade runner quanto uma réplica da nova geração (perfeita e sobretudo obediente): seu trabalho é combater modelos Nexus mais antigos ainda em circulação, que tentaram esconder sua identidade e viver uma "humanidade" impossível. Desde o início, com a dialética entre esse personagem e outros com quem ele tem ou terá muito o que fazer (começando com sua chefe, uma mulher muito decisiva interpretada por Robin Wright); com isso, abre cenários de reflexão sobre os desejos de liberdade e de humanidade das máquinas que deveriam ser escravos "sem alma", sobre projetos diabólicos na sociedade e aquelas pessoas sem escrúpulos. Blade Runner 2049 revela imediatamente uma cena que resiste fortemente ao primeiro filme e, ao mesmo tempo, lança o Agente K - e nós com ele - numa busca frenética por pistas e vestígios em busca da verdade, com o risco, entretanto, de encontrar pistas falsas e diversos perigos. Em tudo isso, vemos novos personagens bem-sucedidos (um dos mais interessantes é um tipo de "holograma feminino"...), e outros mais "escritos" que realmente efetivos (o de Jared Leto, dentre todos, é uma falha de um filme cheio de imagens muito fortes, mas que, por vezes, se perde nas palavras). Mas a expectativa é, sem dúvidas, pelo retorno de Rick Deckard, o então interpretado por Harrison Ford: ex-blade runner que ninguém sabe onde está e que em algum momento vai voltar.

Para os críticos, Blade Runner 2049 parecerá mais um grande filme pela sua fotografia (assinada por Roger Deakins) e pelos ambientes cenográficos impressionantes do que pela narrativa: o ritmo, por vezes, não tem aquele pathos associado a uma história simples mas com significados radicais; a duração de sempre, muito exagerada, quase sempre imposta pelos revendedores (o filme “antigo”, nas suas diferentes versões, não passava das duas horas de duração); e nem todos os golpes de cena parecem tão surpreendentes assim. Mas em uma avaliação geral, repetimos, o filme pode ser visto com perplexidade do início ao fim (que aumenta no final, com um belo desfecho), o que dá uma possibilidade de ganhar lugar seja no imaginário visível de uma nova geração apaixonada pelo cinema, seja pela reflexão que põe sobre o homem, sobre a sua origem como criatura, sobre o seu destino e a sua realidade total, com ecos religiosos e filosóficos, o que não parece ser exagerado identificar.


(texto retirado do site www.sentieridelcinema.it)

Outras notícias

 
 

Credits / © Sociedade Litterae Communionis Av. Nª Sra de Copacabana 420, Sbl 208, Copacabana, Rio de Janeiro - RJ
© Fraternità di Comunione e Liberazione para os textos de Luigi Giussani e Julián Carrón

Volta ao início da página